É NÓIS NA ESTRADA

EXPEDITION MACHU PICCHU

A partir de uma reportagem publicada na edição 42  da MIT REVISTA que é uma publicação da Mitsubishi, focada no universo 4x4,  que relatava a aventura do havaiano Hiram Bingham sobre  os 100 anos do descobrimento de Machu Picchu, passei a me interessar ainda  mais pela  civilização Inca, que é  considerada pelos historiadores, uma das mais enigmáticas das Américas.

Com a efetivação da minha aposentadoria em dezembro de 2012, passei a me programar juntamente com a minha mulher Carmen que também já é aposentada e decidimos fazer uma expedição partindo de Fortaleza até Machu Picchu, a Cidade Sagrada dos Incas, explorando o que fosse interessante no percurso.

Durante os preparativos, pesquisamos para saber de outras pessoas que  partindo de diferentes regiões do Brasil, já haviam feito este mesmo percurso, entrando no território peruano a partir de Assis Brasil no Acre, utilizando a Rodovia Interoceânica.Vimos vários relatos, vídeos e fotos que nos deixaram ainda mais curiosos e animados  para enfrentar este desafio.

Como o nosso roteiro incluía no Brasil estradas precárias, não pavimentadas, com temperaturas elevadas e depois em território peruano iriamos trafegar pela Cordilheira dos Andes, subindo a quase 4.800 metros acima do nível do mar,   enfrentar temperaturas muito baixas,  me preocupei  com a performance do nosso carro, e entrei em contato com o SAC da Mitsubishi que prontamente nos tranquilizou informando que as condições que iriamos enfrentar seriam superadas sem nenhuma dificuldade pela nossa L 200 pois todos os seus componentes são testados e preparados para trafegar em  condições muito mais severas do que as que iriamos encontrar.  

Chequei a rede de Concessionárias Mitsubishi  existentes no roteiro para o caso de  uma eventual necessidade e iniciamos a nossa aventura na manhã do dia 10 de abril de 2013, fazendo a nossa primeira parada no município de São Raimundo Nonato-PI, onde conhecemos o Parque Nacional da Serra da Capivara, declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, onde  fizemos uma verdadeira viagem às origens da civilização na América, pois o lugar guarda a maior concentração de sítios arqueológicos do mundo: mais de 1.200, incluindo o seu entorno que possui  uma  paisagem única, formada por baixões,  cânions e serras onde são encontradas uma enorme quantidade de arte rupestre pré-histórica, cujas pinturas foram feitas entre 6 e 18 mil anos. Conhecemos o cerrado do Piauí que nos últimos anos passa por grandes transformações e já é considerado um dos mais importantes produtores de grãos do Brasil. No meio do sertão encontramos um verdadeiro oásis com água jorrando à vontade e sem nenhum aproveitamento. É  o Poço Violeta que  fica no Vale do Gurgueia e é considerado o de maior vazão na América Latina e o de maior  potencial entre os mais de 170 já perfurados na região,  pois sozinho seria capaz de abastecer uma cidade de 260 mil habitantes. Este poço Já  jorrou água a 60 metros de altura mas hoje a sua vazão é controlada e mesmo assim, chega a quase trinta metros e  é motivo de admiração pelos que passam pela árida região do estado do Piaui.

ESTADO DA BAHIA E DISTRITO FEDERAL

Entramos no estado da Bahia passando pelas imensas plantações de grãos que impulsionam o agronegócio nas cidades de Barreiras e Luiz Eduardo Magalhães.

Continuamos a nossa viagem passando pela Capital Federal, para apreciar a sua arquitetura genial, esculpida pelos mestres Oscar Niemeyer, Lúcio Costa, Burle Marx e  Athos  Bulcão.

ESTADO DE MINAS GERAIS

Passamos por Paracatu-MG, cidade histórica marcada pelo ciclo do ouro,  onde este minério é explorado até hoje por uma multinacional, numa mina a céu aberto que é considerada  a maior do mundo. A cidade também é famosa por ter abrigado Dona Beja, influente personalidade do século XIX,  que    lá viveu por dois anos na companhia do ouvidor do Império, Joaquim Inácio Silveira da Motta. A vida de Dona Beja, inspirou uma telenovela produzida pela Rede Manchete, que depois foi reprisada pelo SBT. Recentemente a cidade voltou a ser lembrada nacionalmente,  por conta da nomeação do seu ilustre filho, Ministro Joaquim Barbosa para o cargo de presidente do Supremo Tribunal Federal.  

Seguimos em direção a Brumadinho-MG, para conhecer o Instituto Inhotim que é considerado o maior centro de arte contemporânea a céu aberto do mundo, porque abriga além de um majestoso jardim botânico idealizado por Roberto Burle Max, mais de 20 galerias  com obras de artistas  de 30 países, onde estão em exposição  esculturas, desenhos, fotos e apresentação de vídeos.

ESTADO DO MATO GROSSO

Na Chapada Dos Guimarães-MT, uma das principais atrações do Cerrado brasileiro,  admiramos os seus enormes  paredões de pedra alaranjada,  mirantes que oferecem uma ampla visão da planície pantaneira, trilhas que nos levam a belas cachoeiras e a Caverna Aroe Jari que é considerada a maior caverna de arenito do Brasil.

Ainda no estado do Mato Grosso fizemos trilhas montados no valente cavalo pantaneiro, navegamos pelo Rio Cuiabá,  conhecemos o Pantanal e a lendária Rodovia Transpantaneira com seus 145 km e suas 122 pontes, sendo 120 de madeira. Vimos revoadas de araras, colhereiros e garças que quebram o sossego dos campos verdes e encharcados,  lagos e canais   que represam as águas das cheias e servem de abrigo para Jacarés, capivaras, veados e tuiuiús. São mais de 650 espécies de aves, 80 de mamíferos e 50 de répteis que habitam o Pantanal.

Em vila Bom Jardim que fica a 65 km do município de Nobres-MT, encontramos um verdadeiro paraíso ecológico cercado  por grutas, cachoeiras, rios cristalinos e um verdadeiro aquário natural onde fizemos  flutuações  na companhia de mais de 30 espécies de peixes com predominância de dourados, piraputangas e pacus. A Lagoa das Araras completa o espetáculo da natureza e todas as tardes, por volta das 17 horas os nativos e turistas  se encontram para contemplar o pôr do sol  que é sobrevoado por um bando de araras-azuis e papagaios típicos da região.

ESTADO DE RONDÔNIA

Às Margens do Rio Madeira, conhecemos  Porto Velho-RO, que surgiu a partir da construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, também conhecida como Ferrovia do Diabo pelas perdas humanas ocorridas durante a sua construção. Foi construída no período de 1907 a 1912, num projeto para interligar Porto Velho a Guajará – Mirim,  estado de Rondônia, na fase áurea da borracha amazônica. Atualmente, mesmo sem operação e serviços regulares, a estrada é tombada desde  2005, pelo IPHAN  e os seus vestígios como antigas pontes, máquinas e uma velha locomotiva ainda podem ser vistos ao longo da Rodovia BR-364 que em alguns trechos corre paralela a ferrovia desativada. Mas é na capital Porto Velho que está guardado o principal acervo da ferrovia e entre as peças mais importantes  está a locomotiva Coronel Church Nº 12, de 1878 que recebeu este nome em homenagem ao americano George Earl Church, um dos responsáveis pela construção da ferrovia.

ESTADO DO ACRE

Em Rio Branco-AC, cuja culinária recebeu forte influência síria, libanesa, nordestina, indígena e ribeirinha, saboreamos quitutes como o quibe de macaxeira e a famosa baixaria, considerados imperdíveis para qualquer visitante. O estado do Acre  já foi uma República, pertenceu a Bolívia e foi incorporada ao território brasileiro a partir da disputa entre Bolívia, Peru e Brasil denominada Revolução Acreana, que não se transformou em um conflito mais sério por conta da eficiente diplomacia brasileira que pôs fim a disputa  através do Tratado de Petrópolis assinado em 21 de março de 1903, pelo então Ministro do Exterior, Barão do Rio Branco, cuja capital recebe o seu nome como homenagem. Ainda no Vale do Acre, conhecemos Xapuri  que é considerada o "berço" da Revolução Acreana  e o símbolo do Movimento Ambientalista Mundial. É conhecida internacionalmente por seu filho mais ilustre, o seringueiro e líder sindical Chico Mendes, que morou naquela cidade até ser assassinado em 22 de dezembro de 1988. Chico Mendes organizou debates e palestras para discutir a situação da região, além de ter feito inúmeras denúncias contra a forma com que os fazendeiros e o governo brasileiro estavam tratando a Amazônia. Sua luta passou a ser acompanhada e reconhecida por ambientalistas e ONGs em defesa do Meio Ambiente, culminando no Prêmio Global 500, oferecido pela ONU. Entre as idéias e conquistas de Chico Mendes estão as Reservas Extrativistas e Reservas Indígenas, criadas a partir da década de 70. Apesar de sua morte, Chico Mendes deixou um legado importantíssimo na história do movimento ecológico mundial. 

NA BOLÍVIA - COBIJA

Fizemos uma rápida passagem por Cobija na Bolívia. A cidade de Cobija  funciona como uma Zona Franca e fica junto as vizinhas cidades brasileiras de Brasiléia e Epitaciolândia-AC, através das quais é ligada pela Ponte Binacional Wilson Pinheiro sobre o Rio Acre.

NO PERU - IÑAPARI

Entramos no Território peruano a partir de Assis Brasil-AC, atravessando a ponte  sobre o Rio Acre que faz limite com a cidade peruana de Iñapari. Ao contrário do lado brasileiro, cujas estradas não estão em boas condições,  até Cusco percorremos cerca de 740 km em estrada com bom asfalto e bem sinalizada, através da Carretera Interoceânica Sur.

EM PUERTO MALDONADO - PERU

A nossa primeira parada em território peruano depois da fronteira  foi Puerto Maldonado na margem do Rio Madre de Dios, um dos formadores do Rio Madeira. A cidade de Puerto Maldonado foi escolhida por  possuir a  melhor estrutura hoteleira no nosso percurso até Cusco, e serviu de descanso para nos prepararmos para a subida da Cordilheira. O que mais nos chamou atenção na cidade de Puerto Maldonado foi a grande quantidade de triciclos motorizados que buzinando freneticamente, circulam em todas as direções, transportando pessoas e mercadorias.

ABRA PIRHUAYANI 4725 MSNM - PERU

De Iñapari até o inicio da subida da Serra Santa Rosa, próximo de Quincemil, percorremos  estradas planas com imponentes pontes e também passagens molhadas. Neste trecho, a Amazônia Peruana ainda se apresenta preservada, salvo em algumas zonas de garimpo de ouro que funcionam a céu aberto. A partir daí, iniciamos a desafiadora subida da Cordilheira, as ladeiras ficam mais íngremes, as curvas em “U” se sucedem por longos trechos, a temperatura cai bastante, o ar vai ficando rarefeito mas tudo isto foi compensado pela beleza indescritível formada pela sequência de vales, altiplanos, picos nevados e pelo contato com a natureza e com os nativos que em instalações simples comercializam trutas fritas com batatas, queijo e um delicioso chá de coca, indispensável para combater o soroche, conhecido como mal das alturas pois subimos a 4.725 acima do nível do mar.

Nestas condições os veículos normalmente perdem potência mas a nossa L 200 respondeu muito bem, nos proporcionando ultrapassagens rápidas e seguras nos locais onde estas manobras eram permitidas.

EM CUSCO - PERU

Depois de percorrermos cerca de 510 km a partir de Puerto Maldonado em aproximadamente 10 horas, chegamos a capital do Império Inca, a imponente Cusco que no apogeu  da Civilização Inca, que se estendia pelos atuais territórios do Peru, Bolívia, Chile e Equador, funcionou como  capital e centro administrativo do fabuloso Império Inca e era considerada  o umbigo do mundo, até ser conquistada e dominada pelos espanhóis no ano de 1532.Pelo seu valor histórico, Cusco foi declarada patrimônio da humanidade pela ONU e hoje é o maior destino turístico da América do Sul e por lá circulam visitantes de todas as partes do mundo que aos bandos invadem todos os seus espaços.

A cidade de Cuzco que já foi parcialmente destruída por dois grandes terremotos, um em 1650 e outro em 1950, hoje é uma belíssima cidade que têm no turismo a sua principal sustentação econômica. Possui excelentes restaurantes e hoteis, importante comércio com grande variedade de artesanato, lojas que comercializam bijuterias e joias de ouro e prata, roupas confeccionadas, com lãs de lhama e alpaca e muitas agências de turismo. O transito é bastante confuso, as ruas são estreitas, muitas com passagem para um só carro, mas com paciência dá para encarar. A Plaza de Armas é o coração da cidade e uma das mais bonitas e bem policiadas que já conhecemos. Turistas transformam os seus espaços numa verdadeira babel e todo domingo é realizado um grande desfile cívico militar para que os visitantes conheçam um pouco da cultura das diversas províncias, onde são mostrados trajes típicos bastante coloridos, com apresentação de música e dança.

EM CUSCO - PERU

Fizemos um city tour a pé e de ônibus panorâmico,  circulamos pelos principais  pontos de interesse de Cusco. Na nossa L 200, que como nós não sentiu os efeitos do frio e da altitude, rumamos para conhecer o Vale Sagrado que se constitui numa das maiores riquezas paisagísticas e culturais do Peru.

VALE SAGRADO, RUINAS DE PISAC - PERU

O Vale Sagrado foi formado há milhares de anos pelas correntezas do rio Vilcanota, o mesmo que no passado era chamado de Wilkañuta (casa do sol) ou Wilcamayu (rio sagrado). O vale Sagrado se prolonga por mais de 100 quilometros, sendo seus extremos as cidades de Pisac e Machu Picchu. Este mesmo rio depois recebe os nomes de Ucaiali, Urubamba e Marañon. Ao entrar em território brasileiro passa a se chamar Solimões e próximo a Manaus, ao encontrar-se com o Rio Negro, passa a se denominar Amazonas. No seu apogeu, os INCAS também utilizavam o VALE SAGRADO como residência oficial de sacerdotes e da nobreza do império e em toda a sua extensão, era protegido por vários fortes militares e era proibido o acesso para as demais pessoas.

VALE SAGRADO, RUINAS DE OLLANTAYTAMBO - PERU

Conhecemos Pisac,chinchero e Ollantaytambo. Em Ollantaytambo, os Incas construíram um grandioso centro administrativo e religioso, onde armazenavam os cereais colhidos por longos periodos e faziam rituais ao Deus-Sol. No topo desta colina, com ampla visão do Vale Sagrado, gigantescas pedras de granito  foram trabalhadas, em superfícies e ângulos perfeitos. Pesando cada uma cerca de 200 toneladas. Todos ficam intrigados e se perguntam:
Como eles conseguiram cortar e lapidar o granito em superfícies tão perfeitas?
Como eles fizeram para transportar pedras tão pesadas, em condições taõ advesas por dezenas de quilômetros?
Como eles fizeram para transpor o Rio Urubamba com estes blocos gigantescos?
Como eles fizeram para chegar tão alto com e estes imensos blocos de granito?                       Qual a técnica que usaram para fazer todas estas obras?
 

VALE SAGRADO, RUINAS DE CHINCHERO - PERU

É sabido que os Incas possuíam altos níveis de conhecimento técnico no que se refere a arquitetura as ciências e as artes, mas como não possuíam qualquer sistema de escrita, perguntas como estas não podem ser respondidas pois o que se sabe atualmente sobre a sua civilização depende de relatos geralmente deficientes dos seus conquistadores e de algumas provas encontradas pela arqueologia.

RUMO A AGUAS CALIENTES - PERU

De trem rumamos para Águas Calientes e imediatamente fomos  em busca de Machu Picchu, a cidade perdida dos Incas. Carimbamos os passaportes e a maioria dos turistas faz isto para depois  guarda-lo como um “suvenir”  valioso. O carimbo é Self-service e cada pessoa carimba o seu passaporte.  As ruinas da cidade são cercadas pelo Rio Urubamba e encravadas entre duas montanhas – Wayna Picchu(jovem montanha) e Machu Picchu( velha montanha).

MACHU PICCHU - PERU

Machu Picchu é um local lendário, foi erguido por volta de 1.450 e até pouco mais de 100 anos atrás era  desconhecida do mundo. A primeira visão é incrível e ninguém consegue chegar a cidadela sem sentir uma forte energia, tão inexplicável quanto os mistérios do desenvolvido e sábio povo  Inca, que por centenas de anos dominou a América do Sul e desapareceu  diante dos conquistadores espanhóis sem deixar vestígios. As fantásticas ruinas guardam até hoje muitos segredos e qualquer tentativa de explica-los,  dizem os estudiosos não passa de especulação. É por isso que existem várias teorias sobre a construção da cidade e ninguém sabe explicar com exatidão: como os Incas a chamavam, quando e por que foi construída, nem por qual motivo foi abandonada.

CURTINDO AGUAS CALIENTES - PERU

Pernoitamos em Aguas Calientes, curtimos um pouco da noite já que no dia seguinte o nosso desafio era chegar ao pico de Wayna Picchu que tem por volta de 2.720 metros acima do nível do mar.

EXPECTATIVA DA SUBIDA PARA WAYNA PICCHU - PERU

Wayna Picchu, forma a parte oriental do maciço de Salcantay, de onde se tem uma visão completa de Machu Picchu e dizem os guias locais que no topo da montanha era a residência do sumo sacerdote que todas as manhãs, antes do nascer do sol, descia com um pequeno grupo e ia a pé até Machu Picchu para saudar a chegada de um novo dia. Atualmente, apenas 400 pessoas são autorizadas a entrar por dia em Wayna Picchu em dois turnos de 200.

NOSSA CHEGADA A WAYNA PICCHU - PERU

A trilha é exaustiva e gasta-se pelo menos duas horas entre a subida e a descida. Os pontos mais difíceis e escorregadios são protegidos por cabos de aço. Algumas pessoas desistem no meio do caminho e os que chegam comemoram o feito com euforia. Nós conseguimos e este foi o “grand finale” da nossa aventura. Chegar ao topo da montanha naquela manhã ensolarada foi simplesmente de cortar a respiração. É uma experiência incrível e definitivamente temos que ver para crer. Nós vimos e o nosso nome ficou registrado no livro de controle do dia 09/05/2013 e de alguma forma passamos a fazer parte da história deste lugar místico que é considerado uma das sete maravilhas do mundo moderno.

Depois de passarmos por oito estados brasileiros e pelo DF, dois países (Peru e Bolívia) percorrendo 16.308 km em 44 dias retornamos a Fortaleza-Ce, e já começamos a nos programar para uma nova aventura.

    

FLUTUAÇÃO NO RIO TRISTE-VILA BOM JARDIM-MT
SERRA DA CAPIVARA-PI
RESERVA SERRA AZUL-VILA BOM JARDIM-MT
SERRA DA CAPIVARA-PI
POUSADA ROTA DAS AGUAS-VILA BOM JARDIM-MT
NO ALTO DA CORDILHEIRA-INTEROCEÂNICA SUR-PERU
ALTO DA CORDILHEIRA-INTEROCEÂNICA SUR-PERU
POVO ANDINO-CUSCO-PERU
MUSEO QORIKANCHA-CUSCO-PERU
RESTAURANTE TÍPICO EM CUSCO-PERU
VISTA PARCIAL DE CUSCO-PERU
RUINAS DE CHINCHERO-VALE SAGRADO-PERU
VISTA DO MONUMENTO PACHACHUTEQ-CUSCO-PERU
PLAZA DE ARMAS-CUSCO-PERU
NO TREM VISTA DOME SOBRE O RIO URUBAMBA-PERU
MACHU PICCHU - PERU
MACHU PICCHU - PERU
POVO ANDINO - CUSCO - PERU
NO ALTO DA CORDILHEIRA-INTEROCEÂNICA SUR-PERU
NO ALTO DA CORDILHEIRA-INTEROCEÂNICA SUR-PERU
TRILHA NA CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
CAVERNA AROE JARI-CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
TRILHA NA CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
CAVERNA AROE JARI-CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
GRUTA DALAGOA AZUL-CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
CÂNION NA CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
SAÍDA DO CANION-CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
PLANTAÇÃO DE GIRASSOL-CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT
POÇO VIOLETA-VALE DO GURGUEIA-PI
CANINDÉ-CE
POVO ANDINO-ALTO DA CORDILHEIRA-PERU
DESFILE DE COMUNIDADES NATIVAS-PLAZA DE ARMAS-CUSCO-PER
RUINAS DE CHINCHERO-VALE SAGRADO-PERU
COMEMORANDO COM AMIGOS PERUANOS-CUSCO-PERU
EM AGUAS CALIENTES-PERU
TOPO DA MONTANHA WAYNA PICCHU-PERU
ABRA CUYUNI 4185 MSNM-INTEROCEÂNICA SUR-PERU
MARCO DA NOSSA PASSAGEM PELA CORDILHEIRA-PERU
PASSAGM MOLHADA EM TRECHO DA INTERONEANICA-PERU
LOCOMOTIVA NA E. DE FERRO MADEIRA MAMORÉ-ABUNÃ-RO
TRAVESSIA DE BALSA SOBRE O RIO MADEIRA-ABUNÃ-RO
MERCADO VELHO EM RIO BRANCO-AC
PAINEIRA EM PARACATU-MG
MARGEM DO RIO ARAGUAIA EM BARRA DO GARÇAS-MT
NAVEGANDO NO RIO CUIABA-POCONÉ-MT
ESTRADAS DE BOM JARDIM-NOBRES-MT
MONTANDO NO CAVALO PANTANEIRO-POCONÉ-MT
MONTANDO NO CAVALO PANTANEIRO-POCONÉ-MT
TRILHA NO CAVALO PANTANEIRO-POCONÉ-MT
POR DO SOL NO RIO CUIABA-POCONÉ-MT

Escreva um novo comentário: (Clique aqui)

SimpleSite.com.br
Caracteres restantes: 160
CONCLUÍDO Enviando...

Joel Chavez | Responder 11.02.2017 13.38

Parabéns pela expedição,é motivante d +++, tive a sorte de encontrar vocês ali pertinho do Cambeba, eu estava de moto no dia 10/02/17. joelartigo@hotmail.com

Mario e Carmen 14.02.2017 16.21

Brigado Joel, continuaremos compartilhando nossas experiencias! Você receberá uma notificação sempre que tivermos alguma novidade! Grande abraço!

Josiane Marin | Responder 22.05.2015 22.33

Olá...somos Marcos e Josiane...já fizemos algumas viagens pela América do Sul...mas agora dia 30/05/15 iremos fazer a volta toda pela América do Sul...
Abraços

Mario e Carmen 26.05.2015 19.49

Marcos e Josiane.É muito bom conversar com outros aventureiros e compartilhar experiências de viagem. Quero acompanhar vocês nesta nova aventura!Grande abraço.

Mario e Carmen | Responder 25.02.2015 10.54

Prezado Juliano, já estamos em casa. Preparando Diário de Bordo para postagem e a Próxima Expedição rumo ao Aconcágua! Nos encontramos lá. Grande abraço.

Juliano Moraes | Responder 24.02.2015 18.39

Caro Casal, visitar o site é uma tremenda felicidade, recordando os lugares e os momentos dos nossos encontros em Ushuaia e Calafate. Abraços

Juliano MOraes 24.02.2015 18.40

Já terminaram a viagem ?

Mario e Carmen | Responder 26.01.2015 23.12

Ana e Paulo, ainda estamos na estrada. Passamos por La Paz e hoje estamos em Copacabana. Amanhã seguiremos para Cusco, Puerto Maldonado e Assis Brasil...abraços

Ana Maria e Paulo Henrique - Petrópolis - RJ | Responder 25.01.2015 17.30

Olá Mario e Carmem. Adoramos conhecer vocês, suas histórias e o site. Agora estamos acompanhando vocês por aqui. Sucesso nas novas etapas, um beijo e boa viagem

EDSON VIEIRA FIRMINO | Responder 26.12.2014 09.32

E ENQUANTO ISSO ESTOU INDO AMANHÂ,NOVAMENTE À PARIS.
Edson Firmino

Ver todos os comentários

Comentários recentes

23.03 | 12:34

Muito bom Landim! Com certeza ainda vamos nos encontrar em alguma expedição pelo mundo afora! Grande abraço!

...
23.03 | 12:33

Beleza Aderbal. É bom encontrar pessoas que também se aventuram e lembrar de momentos que para nós são inesquecíveis! Grande abraço!

...
23.03 | 12:29

Olá Aderbal!Na expedição que fizemos até Ushuaia foram 105 dias na estrada passando por 5 paises.Se o foco for a Patagônia, trinta dias são suficientes.Abraço!

...
16.03 | 13:36

Show !!!
Isso era o que eu queria fazer quando me aposentasse porém como não vou mais me aposentar, já estou programando com minha esposa nossa expedição.

...
Você curtiu esta página